Análise da resistência à fadiga cíclica dos sistemas rotatórios ProTaper Next, X File e X Gray

  • Kauhanna Vianna de Oliveira
  • Ítalo Antônio Dziadzio
  • Luis Henrique Cunico
  • Luiz Fernando Fariniuk
  • Flávia Sens Fagundes Tomazinho
  • Marilisa Carneiro Leão Gabardo
  • Flares Baratto Filho
Palavras-chave: endodontics; instrumentation; root canal therapy.

Resumo

Avaliar a resistência à fadiga cíclica de três sistemas de instrumentos endodônticos rotatórios. Material e métodos: Foram utilizados instrumentos X2 (25/.06) dos sistemas ProTaper Next (PTN) (n = 18), X File (XF) (n = 18) e X Gray (XG) (n = 18), cada um acoplado ao contra-ângulo do motor X-Smart IQ (Dentsply Sirona, Ballaigues, Suíça), e este, ao dispositivo, para teste de fadiga cíclica. Cada instrumento foi acionado até a fratura, com velocidade de 300 rpm e torque de 3 Ncm, enquanto o tempo foi registrado por cronômetro digital para se calcular o número de ciclos até a falha (NCF). Então, o fragmento decorrente de cada fratura foi mensurado por paquímetro digital. Os dados das variáveis tempo e NCF foram analisados pelo teste de Kruskal-Wallis para comparações gerais e pelo de Mann-Whitney para comparações pareadas, enquanto a variável fragmento foi avaliada pelo teste de análise de variância (ANOVA) a um fator. Resultados: O sistema XG apresentou valores de resistência à fadiga cíclica significativamente maiores que PTN e XF (p = 0,000). O comprimento médio dos fragmentos fraturados não mostrou diferença significativa entre os grupos (p = 0,138). Conclusão: O sistema XG apresentou maior resistência à fratura por fadiga cíclica em comparação ao PTN e ao XF, porém não houve diferença entre os fragmentos em todos os sistemas.

Publicado
2021-06-28
Seção
Artigos Originais de Pesquisa