Aspectos anatômicos de madeiras históricas do período colonial do nordeste de Santa Catarina: elementos para conservação do patrimônio cultural

João Carlos Ferreira Melo Júnior

Resumo


A utilização da madeira é amplamente observada em obras que testemunham o patrimônio cultural brasileiro e é significativa no contexto arquitetônico germânico sul-brasileiro colonial em estruturas de origem germânica da tipologia construtiva enxaimel. Este estudo tem o objetivo de identificar taxonomicamente as espécies vegetais empregadas na edificação de uma casa enxaimel datada de 1860, na qual se caracteriza a influência alemã no período colonial no município de Joinville (SC). Preparações histológicas foram confeccionadas com amostras de madeiras históricas coletadas, seguindo os planos de orientação para microscopia. A caracterização do lenho adotou a terminologia proposta pelo Iawa. Os resultados evidenciam que as estruturas construtivas foram produzidas com diferentes madeiras de ocorrência na mata atlântica. Destacam-se os gêneros Aspidosperma, Cariniana, Centrolobium, Cedrela, Handroanthus, Ocotea, Nectandra e Terminalia. A utilização de diferentes madeiras sugere conhecimento por parte dos construtores sobre aspectos tecnológicos do lenho e sua correta empregabilidade, uma vez que os valores de densidade básica, em sua maioria, as caracterizam como madeiras pesadas e, por conseguinte, de grande durabilidade e resistência mecânica. A apropriação desse conhecimento pode contribuir com ações de conservação do patrimônio histórico, respeitando-se seus significados culturais.

Palavras-chave


anatomia da madeira; madeiras históricas; patrimônio cultural.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21726/rccult.v1i1.68

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional