A representação da memória do Vidigal na Flup Parque 2017 – as disputas e o espaço mnemônico

Barbara Cristina Nascimento da Rosa

Resumo


O objetivo deste trabalho é descrever a representação da memória na Flup Parque 2017: Gincana da Memória do Vidigal, ou seja, trata-se de um relato de experiência. Ao assim fazer, o texto falará da memória como tema (por meio dos desafios propostos na dinâmica) e como legado (por intermédio da exposição “Os crias”). A disputa de poder e representatividade ocorrida nesse processo será aqui tratada. Não há discussão sobre as leituras e representações causalísticas ou romantizadas que são feitas da favela pelos indivíduos externos a ela. Deseja-se falar pela perspectiva das vozes locais; como se diz na periferia: “é nós por nós”.


Palavras-chave


memória; representação; “cria”; disputa de poder.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21726/rccult.v7i1.475

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internaciona