Reservas extrativistas marinhas: perspectivas e limitações para jovens pescadores

Poliana Oliveira Cardoso, Sheila Maria Doula

Resumo


Três reservas extrativistas marinhas, Caeté-Taperaçu (na região Norte), Prainha do Canto Verde (no Nordeste) e Arraial do Cabo (na região Sudeste), foram analisadas quanto às perspectivas e limitações para os jovens pescadores que residem nessas áreas atualmente. Foi realizada uma pesquisa documental com relatórios socioeconômicos resultantes do convênio entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Universidade Federal de Viçosa (UFV),
que forneceram informações quantitativas e qualitativas das reservas extrativistas marinhas. Analisaram-se os dados de 912 entrevistados, em sua maioria jovens responsáveis familiares. O perfil etário dos entrevistados é de 15-89 anos, com baixa escolaridade. Os resultados mostram que, apesar de o sistema que regulamenta tais áreas estar em consonância com as orientações internacionais de conservação da
biodiversidade, a fragilidade de políticas públicas interligadas limita a geração de renda, a proteção dos recursos naturais e o desenvolvimento socioeconômico das famílias, fatores que afetam as expectativas futuras dos jovens pescadores que residem nesses locais. São discutidas as diretrizes de desenvolvimento e sustentabilidade que regem o Sistema Nacional de Unidades de Conservação no Brasil.


Palavras-chave


desenvolvimento sustentável; juventude; pesca artesanal; unidades de conservação costeiras.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21726/abc.v5i2.462

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Acta Biológica Catarinense, ISSN 2358-3363, Joinville/SC, Brasil.Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.